Algumas ideias de trocas envolvendo Kyrie Irving

Luís Araújo

Parece que Kyrie Irving está bem disposto a ir embora do Cleveland Cavaliers. De acordo com Brian Windhorst, da ESPN norte-americana, o armador pediu para ser trocado em uma reunião que teve com a direção da franquia. Até os destinos preferidos dele já teriam sido definidos: New York Knicks, San Antonio Spurs, Miami Heat e Minnesota Timberwolves.

Se o Cavs vai mesmo atender o desejo de Kyrie ou não é uma outra história. Não há nada que obrigue o time a fazer negócio agora e abrir mão de alguém que tem contrato até pelo menos 2019 — com a opção de o jogador exercer mais um ano deste acordo, o que neste caso não faria muito sentido. Mas dá para aproveitar essa situação na “offseason” para imaginar possibilidades de trocas envolvendo o armador. Algumas delas foram enviadas pelos leitores do Triple-Double.

Para isso, dois aliados são fundamentais. Um deles é a “Trade Machine” no site da ESPN dos EUA, que dá uma exata noção da construção das negociações e avalia se a troca proposta é de fato viável ou não. Outra ferramenta importante é a lista de escolhas de Draft que cada time possui no RealGM.

Vamos brincar de fazer trocas então. Começando pelos times que estariam na lista de preferências do camisa 2 do Cavs.

Kyrie no Knicks

A sugestão a seguir veio do @netsbrooklynbr, acompanhada de uma informação importante: Frank Ntilikina também sairia do Knicks para se juntar ao Suns. A “Trade Machine” não permite a inclusão do francês agora, mas ele ficaria livre para ser envolvido em uma negociação qualquer depois de 30 dias da assinatura de contrato — que aconteceu em 5 de julho.

Em termos de talento bruto, essa seria uma das maneiras que o Cavs não perderia tanto assim se realmente resolver se desfazer de Irving. A aquisição de Carmelo Anthony é algo que parece estar na lista de desejos há um tempo, até por causa de LeBron James, e iria também ao encontro da vontade do Knicks. A armação também estaria preenchida com Eric Bledsoe, e Tyson Chandler ofereceria um protetor de aro de elite. Mas como seria o encaixe de Carmelo e Chandler com Kevin Love e LeBron? Alguém precisaria ter minutos reduzidos. Talvez isso abriria o caminho para que uma outra negociação envolvendo Love fosse feita mais adiante.

O Knicks poderia tentar construir alguma coisa melhor do que tem agora a partir da união de Kyrie e Kristaps Porzingis. Já o Suns abriria mão de dois jogadores com mais dois anos de contato para receber Thompson e Lee, que têm três temporadas de acordo pela frente cada um, mas em compensação teria em Ntilikina mais um jovem a ser trabalhado para os próximos anos.

Uma outra ideia de troca baseada nestes três times é essa abaixo. Também com a ressalva de Ntilikina faria parte do pacote que o Suns receberia.

Seria uma ruptura total do trio de estrelas que levou o Cavs ao topo do Leste nas últimas três temporadas. Claro que algumas questões dentro de quadra teriam de ser melhor trabalhadas pelo técnico Tyronn Lue, mas essa troca em tese faria Carmelo ocupar o lugar de Love e Bledsoe o de Irving. Até dá para imaginar um ganho defensivo, mas será que o time teria a mesma condição para manter a quadra espaçada, sobretudo quando LeBron estiver com a bola nas mãos? Passa por aí a grande questão que o Cavs deveria levar em conta na hora de bater o martelo.

Já os outros dois times envolvidos conseguiriam exatamente o que querem. O Knicks se livraria de Carmelo em troca de Irving e ainda ganharia um defensor extremamente valioso para proteger a cesta. Já o Suns abriria mão de dois veteranos que não parecem combinar com o momento de reformulação que a equipe atravessa agora. Por outro lado, receberia mais um talento jovem e um “all-star” que poderia exercer papel de liderança em meio a um núcleo tão novo e que certamente teria tudo para ser muito melhor explorado dentro de quadra do que vinha sendo em Cleveland.

Há uma outra sugestão que tem o Oklahoma City Thunder no lugar do Phoenix Suns. Quem a mandou foi @campeljefferson (com crédito ao Lukas Williams, ele fez questão de dizer).

O Thunder teria mais uma estrela no elenco para botar ao lado de Russell Westbrook e Paul George. Mais do que isso: conseguiria duas peças capazes de abrir espaços na quadra e ainda iria se desfazer dos contratos de Enes Kanter e Kyle Singler. Seria algo para deixar perfeita a “offseason” de Sam Presti, que já tem sido muito boa.

Mas restariam dúvidas para o resto. Com Irving e Kanter, o Knicks teria dois talentos interessantes para colocar ao lado de Porzingis e tentar elevar consideravelmente o sistema ofensivo, mas ao mesmo tempo teria de se preocupar em como esconder esses dois no outro lado da quadra. Isso sem falar nos três anos de contrato de Singler — ainda que não seja por um valor tão alto. Já o Cavs teria Carmelo, além de receber um chutador que poderia cair muito bem ao lado de LeBron e uma peça escolhida na primeira rodada do Draft deste ano — o que poderia ser interessante já pensando numa eventual reconstrução a partir de 2018, caso LeBron saia. Mas ainda assim parece ser pouco para compensar as saídas de Love e Irving, dois “all-stars”.

Nesta mesma linha de encontrar novos lares para Irving e Anthony, tem uma sugestão mais simples do @rodrigotrindade: uma troca direta entre os dois times.

Seria mais uma negociação que permitiria ao Cavs deixar Irving sair para contar com Carmelo, mas que levaria à necessidade de uma outra transação no futuro para resolver a questão envolvendo Love e/ou Tristan Thompson. Um deles poderia ser usado como moeda de troca para preencher a vaga que Irving deixaria no quinteto principal.

Kyrie no Heat

Há uma boa parte do elenco do Heat composto por jogadores que assinaram novo contrato agora e que, por isso, só poderiam ser negociados no meio da próxima temporada. Isso reduz bastante as opções para se pensar em trocas com o Cavs para perseguir Irving. Diante disso, a inclusão de Goran Dragic passa a ser praticamente uma obrigação.

O cenário a seguir seria o mais simples.

O Heat teria uma estrela para assumir o protagonismo no ataque — e que também passaria a ter o desafio de conseguir envolver melhor o elenco de operários ao seu redor e provar de vez que é muito mais do que um mero pontuador. O Cavs ganharia um armador que sabe produzir bem demais com a bola nas mãos e que vem de uma temporada com mais de 40% de aproveitamento nas bolas de três, além de um jovem de defende muito bem e que tem um potencial enorme se conseguir lapidar o jogo ofensivo. Seria alguém em condição de ajudar imediatamente, mas que poderia também servir para uma reconstrução a partir de 2018 caso LeBron se mande.

Mas também dá para imaginar uma alternativa que não envolva Dragic. Só que o jeito para isso seria incluir o único jogador do elenco do Heat com salário maior que o do esloveno.

Esse jogador em questão é Hassan Whiteside. Para fazer algum sentido que o pivô vá para o Cavs, Tristan Thompson iria junto de Irving para o Heat. Wayne Ellington e Tyler Johnson funcionariam para fazer os salários baterem, mas são dois jogadores que poderiam jogar sem a bola nas mãos e capazes de ameaçar as defesas com chutes de longe.

Ainda assim, talvez fosse necessário que o Heat mandasse pelo menos uma escolha de primeira rodada. A de 2018 vai para o Phoenix Suns caso termine fora das sete primeiras posições. Se isso acontecer mesmo, então talvez a de 2019 poderia ser enviada para Cleveland. Cairia bem para o Cavs, que mandou a sua escolha de primeira rodada do Draft de 2019 para o Atlanta Hawks (com proteção para as dez primeiras posições).

Kyrie no Timberwolves

Há quem diga que Irving quer jogar junto com Jimmy Butler desde a Olimpíada do Rio de Janeiro. Também existe um papo que Butler e Karl-Anthony Towns já estão em contato com Irving para tentar levá-lo a Minnesota. O problema é que o Timberwolves contratou Jeff Teague e só poderia negociá-lo no meio da próxima temporada.

O Timberwolves então teria que dar um jeito de jogar com os dois armadores juntos. Não é algo que faz muito sentido ofensivamente e que certamente representaria uma enorme barreira sob o ponto de vista defensivo. Mas já que é para tentar pensar em uma possibilidade de fazer isso acontecer, vamos lá à primeira ideia.

Dadas as circunstâncias, Andrew Wiggins talvez seria o nome mais indicado a aparecer como peça central no pacote por Irving. Gorgui Dieng iria só para ajudar a completar os salários. O que o Cavs poderia tentar fazer sem encaixar um outro negócio depois disso seria deixar Wiggins no lugar de Irving no quinteto principal. Defensivamente, JR Smith poderia continuar marcando o armador adversário, mas Wiggins também poderia assumir essa função dependendo do oponente. No ataque, Wiggins representa um regresso em relação a Irving nos chutes de longe, mas também poderia dividir com LeBron a responsabilidade de levar a bola e iniciar os ataques.

Do outro lado desta história, o Timberwolves ganharia um ótimo arremessador de longe, que certamente ajudaria a espaçar a quadra, e que tem um drible letal no um contra um. Mas isso aumentaria a preocupação com relação à distribuição de bola com Jeff Teague e Jimmy Butler e, claro, representaria um desafio gigantesco do ponto de vista defensivo para Tom Thibodeau resolver.

Será que tem uma outra ideia ainda mais absurda que essa para colocar Irving ao lado de Butler e Towns? Claro que tem. Por que não envolver um terceiro time nesta salada, não é?

O Cavs teria um armador acostumado a jogar com ou sem a bola, que tem bom chute de longe e que poderia tanto servir para ajudar imediatamente a manter o alto nível de competitividade como para comandar uma reconstrução futura. O Timberwolves continuaria perdendo Wiggins e Dieng, assim como no exemplo anterior, mas ganharia também um outro arremessador competente de três pontos para ajudar no espaçamento enquanto estiver em quadra — e de contrato expirante. Já o Blazers continuaria tendo um outro jogador capaz de revezar com Damian Lillard na função de conduzir a bola. Wiggins tem um chute de longe pior, mas poderia ajudar a melhorar a defesa do perímetro, um dos pontos mais críticos do atual elenco.

Kyrie no Spurs

Também não é um cenário que parece tão provável. Primeiro porque o Spurs certamente não gostaria de incluir Kawhi Leonard. Além disso, LaMarcus Aldridge faria muito pouco sentido neste Cavs, seja com Kevin Love ou na vaga dele, e Patty Mills acabou de assinar um novo contrato e só poderia ser trocado no meio da próxima temporada.

@dgsweb enviou a ideia a seguir, com a ressalva de que uma escolha de primeira rodada também entraria no pacote que o Spurs mandaria ao Cavs.

O Spurs ganharia demais em termos de talento e Gregg Popovich poderia consertar os problemas defensivos de Irving, algo que nem chega a ser tão absurdo de se imaginar depois de ele ter feito David Lee parecer um marcador competente na temporada passada. Para isso, na prática, teria de abrir mão de uma das jovens peças que poderiam dar em algo no futuro. Valeria a aposta.

Para o Cavs, nem tanto. Ou melhor: nada. Uma transação dessa seria um sinal de que o time já estaria desistindo do presente e se preparando para uma saída de LeBron em 2018 — o que pareceria bem iminente se essa troca fosse mesmo concretizada. Mesmo que estivesse saudável, Tony Parker não faria muito sentido ao lado de LeBron. O atrativo mesmo em relação ao francês seria o contrato expirante, que serviria para começar a aliviar a folha salarial. Bertans poderia ser testado e, se aprovado, mantido para essa reconstrução no futuro. E uma escolha apenas de primeira rodada não seria o suficiente para fazer o Cavs aceitar isso aí. É uma troca que faria o mundo cair em cima da direção do Cavs — e com toda a razão.

Bryn Forbes e Dejounte Murray poderiam ser pensados também neste pacote. De qualquer maneira, continuaria sendo pouco para o Cavs. Isso tudo só mostra o quanto é complicado tentar viabilizar uma troca que leve Irving ao Spurs sem envolver LaMarcus Aldridge.

É claro que os times não incluídos na lista inicial de destinos preferidos de Irving também podem ser considerados.

Kyrie no Pelicans

Zach Lowe foi quem jogou essa ideia no ar.

Uma estrela por outra. Seria interessante, mas não resolveria logo de cara os problemas dos dois times. O Cavs continuaria precisando encontrar alguma coisa para fazer com Kevin Love ou Tristan Thompson, preferencialmente para preencher a vaga deixada por Irving no quinteto principal. Já o Pelicans teria mais um armador no elenco ao lado de Jrue Holiday e Rajon Rondo. Alvin Gentry poderia até tentar quebrar a cabeça para distribuir minutos entre esses três, mas o ideal seria que pelo menos um deles fosse negociado. O problema? Tanto Holiday como Rondo assinaram como agentes livres e só poderiam ser trocados no meio da próxima temporada.

Kyrie no Bulls

O Cavs daria um jeito de recolocar Wade ao lado de LeBron e ele poderia até ocupara a vaga de Irving no quinteto principal, sendo escondido na defesa sem a bola e revezando com LeBron a tarefa de comandar o ataque, tendo JR Smith como mero arremessador nestas horas. Já o Bulls teria uma estrela para comandar o processo de reconstrução e que poderia ajudar a espaçar mais a quadra.

Kyrie no Hawks

Seria algo para o caso de o Hawks se decidir mesmo de que não vale a pena manter Dennis Schroder como armador titular. Aí reconstruiria tudo ao redor de Irving mesmo. O Cavs poderia ver no que daria Malcolm Delaney e receberia Kent Bazemore, um bom defensor de perímetro e que pode entregar bom rendimento nos chutes de três, especialmente se tiver alguém como LeBron James para abrir espaços para ele no ataque.

O Hawks poderá ter até três escolhas de primeira rodada no próximo Draft. Pelo menos uma delas poderia ser incluída neste pacote para o Cavs. Ou duas.

Kyrie no Nuggets

O Nuggets ganharia mais um ótimo arremessador de longe e certamente teria muito a ganhar com a capacidade de improviso no um contra um de Irving. O desafio seria fazer com que isso não afetasse tanto assim as oportunidades de Nikola Jokic ter a bola nas mãos para encontrar passes, mas parece ser uma aposta bem válida.

O pacote que o Cavs receberia precisaria ter pelo menos uma escolha futura de primeira rodada. Jamal Murray seria um outro item valioso. Trata-se de um jogador muito novo, que tem o arremesso de longe como especialidade e que também deu sinais de saber o que fazer com a bola nas mãos. Jameer Nelson é um armador veterano que pode atuar ao lado de LeBron ou mesmo assumir o papel de organizador quando o astro estiver fora de quadra. E Wilson Chandler oferece uma defesa bem versátil, podendo trocar a marcação tranquilamente no perímetro, e sabe se virar de diversas maneiras para produzir ofensivamente.

Kyrie no Lakers

Essa foi uma sugestão enviada pelo @lipesaraiva.

Seria mais uma troca que daria a Tyronn Lue o desafio de fazer o time não perder em rendimento ofensivo tendo Eric Bledsoe jogando na vaga de Irving. O Cavs ainda ganharia Dragan Bender, que daria alguma perspectiva de futuro caso o atual elenco venha mesmo a se desmanchar a partir de uma saída de LeBron em 2018.

O Lakers enfim conseguiria se livrar do contrato de Luol Deng e já passaria a contar com uma estrela no elenco. Mas existiriam dois problemas aí. Um deles é que forçaria o time a encontrar maneiras de fazer Irving jogar uma quantidade de tempo considerável ao lado de Lonzo Ball, o que já não seria moleza no ataque e que seria uma missão muito mais complicada na defesa. Mas o grande problema mesmo é que isso provavelmente acabaria com qualquer chance de acerto com LeBron em 2018.

Tags: , , , , , , , , , , , ,

COMPARTILHE