Histórias da NBA – Michael Jordan foi plano B do Chicago Bulls

Luís Araújo

A imagem acima é do dia 12 de setembro de 1984, de quando Michael Jordan assinou seu primeiro contrato como jogador de basquete. Quem observa tudo sorridente ao lado é Rod Thorn, gerente-geral do Chicago Bulls na época.

Jordan foi selecionado na terceira posição do Draft daquele ano. O que aconteceu depois disso todo mundo sabe: ele levou uma equipe de pouca tradição na NBA a seis títulos, comandou a explosão de popularidade da liga ao redor do mundo, redefiniu os padrões de excelência de um atleta no basquete e tudo mais — quem é assinante do Triple-Double pode ouvir um pouco mais sobre ele em um dos podcasts especiais.

Mas é interessante demais lembrar que essa hist’ria esteve muito perto de se desenrolar de maneira completamente diferente. A notícia abaixo, publicada pelo jornal Chicago Tribune no dia 27 de maio de 1984, dá uma ideia disso:

Basicamente, o texto diz que o Bulls deu azar na ordem do Draft porque não conseguiria escolher Sam Bowie na terceira posição. A intenção seria usar o pivô de Kentucky em uma troca com o Seattle Supersonics pelo também pivô Jack Sikma, que tinha 28 anos naquela época e já havia se consolidado como estrela da NBA. Tanto é que participou de sete edições consecutivas do “All-Star Game”, entre 1979 e 1985. O negócio por ele só seria concretizado se um atleta da mesma posição fosse envolvido.

De acordo com a publicação, o Portland Trail Blazers estava decidido a recrutar um homem de garrafão. Se ganhasse a disputa com o Houston Rockets, optaria por Hakeem Olajuwon. O time do Texas não iria atrás de Bowie caso tivesse ficado com a segunda posição, deixando livre a ida dele para Chicago. Mas não foi o que aconteceu. Então, o Bulls viu-se forçado a dar um outro jeito. A possibilidade de envolver essa terceira escolha em alguma troca ainda era bem real.

O Philadelphia 76ers estava disposto a oferecer o armador Andrew Toney e o pivô Clemon Johnson para recebê-la. O Los Angeles Clippers e o Atlanta Hawks também tentaram fechar negócio. Não conseguiram. Nenhuma oferta se apresentava tão atraente quanto a ideia de contar com Jack Sikma. O dia do Draft chegou, e o Bulls decidiu selecionar Jordan mesmo.

Não era o plano inicial. Os torcedores em Chicago na época devem até ter encarado tudo isso com frustração. Como se nada desse certo para uma equipe que tinha alcançado os playoffs uma única vez nas sete temporadas anteriores. Disputar o título, então, era sonho bem distante.

Mas aí o jogador que quase não veio tratou de mudar isso tudo. Além de tudo, Jordan deve ser o plano B mais bem-sucedido da história.

Tags: , , ,

COMPARTILHE