Nomes para se ficar de olho no Draft de 2018 – Parte 2

Luís Araújo

A primeira parte do especial do Draft de 2018 já saiu e pode ser encontrada aqui. Antes da próxima, vale reforçar um aviso importante: as comparações do “nbadraft.net” aparecem por aí apenas por motivos de curiosidade, não por costumarem acertar em cheio os prognósticos.

Feita a ressalva, vamos à próxima leva de calouros que merecem atenção nesta safra de 2018.


Collin Sexton

Posição: armador
Idade: 19 anos
Altura: 1,88m
Peso: 84 kg
De onde vem: Alabama (NCAA)
Comparações do nbadraft.net: Eric Bledsoe
O que dizem sobre ele: apesar de baixo, é um armador de ótima envergadura, além de bastante atlético e explosivo. Parece não ter medo nenhum de buscar infiltrações na marra e de sofrer contatos perto da cesta. Esses espaços podem vir em ações individuais, mas Sexton mostrou-se especialmente perigoso em definições a partir do “pick and roll”. Qualquer abertura que aparecer para ele pode virar um convite para a bandeja. Os arremessos podem vir a ser uma força também — e também em situações de “catch and shoot”, o que o permitiria jogar mais vezes sem a bola nas mãos.

O que também é um ponto forte de Sexton e que passa muito pelo seu conjunto de habilidades físicas é a defesa individual. Mas quando as marcações pedem uma noção maior de posicionamento e leitura de jogo, as coisas ficam um pouco mais complicadas para ele. Há também mais pelo menos dois pontos importantes no jogo dele que despertam cuidados. Um deles é o desempenho enquanto passador. O outro é o excesso de agressividade, que por vezes o leva a insistir em bandejas difíceis e com menor probabilidade de acerto.


Shai Gilgeous-Alexander

Posição: armador
Idade: 19 anos
Altura: 1,98m
Peso: 82 kg
De onde vem: Kentucky (NCAA)
Comparações do nbadraft.net: Ron Harper/Dejounte Murray
O que dizem sobre ele: trata-se de um armador muito alto para a posição e com uma envergadura ainda maior em relação à sua estatura, sem que isso o deixe em posição de desvantagem em termos de agilidade e de deslocamento lateral. Essa combinação de características físicas são bem usadas na defesa, onde ele se sai muito bem colocando pressão em cima das linhas de passe e forçando erros dos ataques adversários. Além de elogiar todos os seus atributos defensivos, o “nbadraft.net” ainda o classifica como um “arremessador subestimado, que acertou mais de 40% dos seus tiros de três e mais de 81% dos seus lances livres durante sua passagem por Kentucky”.

Levar esses arremessos de longa distância para a NBA será um desafio importante para Gilgeous-Alexander, mas não o único. Ele também levanta dúvidas enquanto criador de jogadas, especialmente em situações de meia-quadra. Outra questão passa pelo porte físico ainda franzino.


Zhaire Smith

Posição: ala-armador/ala
Idade: 19 anos
Altura: 1,93m
Peso: 91 kg
De onde vem: Texas Tech (NCAA)
Comparações do nbadraft.net: Avery Bradley/Norman Powell
O que dizem sobre ele: a explosão física talvez seja sua principal característica. Na defesa, isso o ajuda a se mostrar um defensor versátil. De acordo com o “The Ringer”, Smith apresenta “excelente tempo de reação ao se movimentar lateralmente, atacando a bola em situações de um contra um ou saindo do lado sem bola da quadra para fazer uma cobertura”. Outras características elogiadas nele são a capacidade de executar bons bloqueios, a habilidade como reboteiro, a tendência de fazer passes corretos quando tem a bola nas mãos e as finalizações dentro do garrafão a partir de jogadas que o coloquem em movimento.

Apesar de ter acertado 45% dos chutes de três pontos que tentou durante a temporada que passou na NCAA, ainda existem algumas dúvidas com relação ao quanto Smith conseguiria transportar essa virtude para a NBA. Em parte por causa da diferença entre as distâncias da linha de três entre uma liga e outra, mas também por causa da mecânica de arremesso. O “nbadraft.net” também observa que ele não é completamente confiável conduzindo a bola e que ainda depende demais da capacidade de criação de algum companheiro para conseguir atacar. Outro ponto de interrogação é a altura. Apesar de todas as qualidades atléticas, Smith pode encontrar limitações na NBA por ser um ala baixo.


Robert Williams

Posição: ala-pivô/pivô
Idade: 20 anos
Altura: 2,05m
Peso: 109 kg
De onde vem: Texas A&M (NCAA)
Comparações do nbadraft.net: Stromile Swift
O que dizem sobre ele: outro jogador que tem a capacidade atlética como principal característica. Ele não é lá tão alto, mas tem uma boa envergadura graças a seus braços longos e consegue correr bem a quadra. Na defesa, essa combinação o torna uma ameaça nos tocos e o permite encarar oponentes mais baixos após trocas de marcação. No ataque, é uma ameaça constante ao redor do aro a partir de jogadas de “pick and roll”. Além disso, é considerado um bom passador. O “The Ringer” o destaca como “capaz de reconhecer companheiros cortando em direção à cesta no momento certo e de acioná-los da melhor maneira”.

Mas existem pelo menos dois problemas consideráveis no conjunto de características de Williams. Um deles é o arremesso de fora do garrafão. O “nbadraft.net” aponta que ele “tem trabalhado para ampliar o alcance dos seus chutes, mas ainda falha no que diz respeito a consistência” e o classifica como “um pobre arremessador nos lances livres”. Além disso, um outro ponto que merece cuidados é a disciplina defensiva. Embora tenha ferramentas físicas favoráveis, Williams ainda sofre um bocado vez ou outra neste sentido do ponto de vista coletivo.


Miles Bridges

Posição: ala/ala-pivô
Idade: 20 anos
Altura: 1,98m
Peso: 100 kg
De onde vem: Michigan State (NCAA)
Comparações do nbadraft.net: Jerome Kersey
O que dizem sobre ele: é o tipo de jogador que seria visto como um problema até poucos anos atrás por parecer estar “entre posições” — já que reúne ferramentas que tradicionalmente iriam ao encontro de um ala-pivô, mas tem a altura de um ala. Só que os tempos estão mudando, o que abre esperança para Bridges. O “nbadraft.net” pontua que “jogadores como ele talvez sejam a peça mais importante deste novo esquema sem posições definidas, podendo desempenhar múltiplas posições nos dois lados da quadra e em diversas formações”. A defesa dele é bastante elogiada. Ainda de acordo com a análise do “nbadraft.net”, há alguns paralelos neste sentido com Jae Crowder pela combinação de força e velocidade.

Bridges também sabe usar a sua explosão no ataque, mas apresenta também alguns outros elementos interessantes que vão além dos seus privilégios físicos. Uma característica que chama a atenção é a capacidade de finalizar com as duas mãos ao redor do aro. Nestas bolas perto da cesta, aliás, foi comum vê-lo durante a NCAA acertando arremessos por ali mesmo diante de forte contestação. Como arremessador, terá de alongar o alcance para realmente virar uma ameaça na NBA. O “The Ringer” elogia sua energia para lutar por rebotes e o classifica como alguém com características de se tornar uma boa e inteligente peça de apoio em uma equipe, graças aos bloqueios que executa, aos cortes sem bola para a cesta e aos passes simples que dá para fazer a bola continuar se movimentando. Quando a coisa fica um pouco mais desafiadora, o passe já deixa de ser uma virtude e vira um problema sério. Outro ponto a ser desenvolvido por Bridges é a limitação no controle de bola, o que o prejudica demais como criador de jogadas.


Lonnie Walker

Posição: ala-armador
Idade: 19 anos
Altura: 1,96m
Peso: 88 kg
De onde vem: Miami (NCAA)
Comparações do nbadraft.net: OJ Mayo/Rodney Stuckey
O que dizem sobre ele: a explosão e os arremessos a partir do drible talvez sejam as características mais marcantes dele. A bola de três pontos ainda não pode ser considerada uma força, mas há quem veja potencial para que isso continue se desenvolvendo nos próximos anos — especialmente em situações de “catch and shoot”. Antes mesmo disso acontecer, ele já pode levar perigo às defesas em ataques sem a bola nas mãos por se tratar de um jogador veloz e inteligente na hora de identificar o momento certo de se cortar para a cesta. E na defesa, de acordo com o que observou o “The Ringer”, Walker dispõe de uma combinação de tamanho, agilidade e velocidade lateral que o permite defender efetivamente múltiplas posições, além de ser “cheio de habilidades para perseguir arremessadores através de bloqueios, com uma tendência de fazer boas rotações”.

O grande problema de Walker é a habilidade enquanto criador de jogadas. A leitura do “pick and roll” é considerada ruim. A capacidade de fazer passes também não é grande coisa. E não é raro vê-lo deixando a desejar na seleção de arremessos.


Donte DiVicenzo

Posição: ala-armador/ala
Idade: 21 anos
Altura: 1,96m
Peso: 91 kg
De onde vem: Villanova (NCAA)
Comparações do nbadraft.net: Delonte West
O que dizem sobre ele: durante a trajetória na NCAA, mostrou-se capaz de pontuar com certa facilidade e de entregar uma boa defesa. De acordo com o “The Ringer”, DiVicenzo é um arremessador eficiente a partir do drible e apresenta flashes interessantes enquanto comandante de jogadas de “pick and roll”, mas não tem o mesmo impacto quando corre sem a bola e recebe um passe após correr por bloqueios. A habilidade enquanto passador parece promissora, mas ainda está longe de poder ser considerada totalmente confiável.

Na defesa, não é do tipo de jogador que vai anular os oponentes. Aliás, do ponto de vista individual, é de se imaginar que ele tenha dificuldades contra adversários mais altos e mais fortes. Mas DiVicenzo demonstra um alto grau de intensidade nestas situações e parece ser disciplinado o bastante sob o aspecto coletivo. O “nbadraft.net” também elogia o quanto ele se colocou à disposição para sair do banco de reservas e se adaptar ao sistema de Villanova da melhor maneira possível, o que sem dúvidas é um ponto positivo. Mas também ressalta que, até por causa disso, DiVicenzo nunca foi o principal foco dos planos de jogo dos adversários — o que representa um desafio curioso para a sequência da carreira dele na NBA ou em qualquer lugar que resolva jogar.


Jerome Robinson

Posição: ala-armador
Idade: 21 anos
Altura: 1,96m
Peso: 86 kg
De onde vem: Boston College (NCAA)
Comparações do nbadraft.net: Kevin Martin
O que dizem sobre ele: pontua com facilidade tanto com a bola nas mãos como sem ela. Os arremessos de longe funcionam das duas maneiras — a partir do drible e também em situações de “catch and shoot”. Existe um grau de confiança bem elevado sobre o quanto esses chutes de longe serão transportados para a NBA, mas não é só isso. Robinson tem como um outro aspecto elogiado em seu jogo os dribles com mudança de direção e movimentos de hesitação, que o permitem quebrar defesas e abrir espaços para a definição.

Entretanto, essas qualidades abrindo espaço costumam aparecer quando ele já está em movimento. Em jogadas de isolação nas quais é obrigado a criar do zero, seu desempenho não chega a ser nada de outro mundo. Na defesa, até mostra que pode se virar bem no um contra um, mas costuma se perder com certa regularidade quando tem de marcar fora da bola.


Mitchell Robinson

Posição: pivô
Idade: 20 anos
Altura: 2,16m
Peso: 102 kg
De onde vem: Chalmette (colegial)
Comparações do nbadraft.net: nenhuma
O que dizem sobre ele: de acordo com o “The Ringer”, trata-se de um prospecto que vai impressionar pela capacidade atlética, mas que desperta dúvidas com relação ao seu conjunto de habilidades. Robinson realmente é privilegiado do ponto de vista físico. Não só é veloz e explosivo como tem braços longos e parece saltar com uma facilidade incomum para alguém do seu tamanho. No ataque, ao redor da cesta, todas essas coisas fazem dele alguém muito difícil de ser contido. Robinson também se destaca como reboteiro, tem um grande potencial enquanto protetor de aro e dá sinais de que pode encarar jogadores menores após trocas de marcação.

O problema é saber até que ponto as questões mais técnicas irão acompanhar essa série de privilégios físicos que ele tem. Robinson é considerado um jogador que comete desperdícios de posse de bola com facilidade, limitado quando precisa criar algum tipo de finalização, desprovido de uma boa visão de quadra para encaixar passes e fraco na hora de encaixar bloqueios para os companheiros. Isso sem falar nos fundamentos defensivos.


Chandler Hutchison

Posição: ala/ala-armador
Idade: 22 anos
Altura: 2,01m
Peso: 88 kg
De onde vem: Boise State (NCAA)
Comparações do nbadraft.net: Landry Fields
O que dizem sobre ele: uma análise publicada na Sports Illustrated por Jake Fischer o classifica como “um ala bem rodado e de encaixe ideal para uma era do basquete sem posições definidas”. Defensivamente, usa a combinação de tamanho, velocidade e leitura de jogo para colocar pressão nas linhas de passe. De qualquer maneira, vale ressaltar que ainda existe um certo mistério com relação ao seu real potencial neste sentido porque ele marcou por zona durante a maior parte da temporada da NCAA por Boise State.

O que também chamou a atenção em seus tempos universitários foi o quando Hutchison se acostumou a assumir a responsabilidade de armar o jogo e acionar os companheiros. Mas isso não quer dizer que ele não sabe jogar sem a bola nas mãos. Pelo contrário: os arremessos são melhores quando ele recebe em situações de “catch and shoot”. Além disso, ele sabe a hora certa de cortar em direção à cesta e aparecer como opção de passe no garrafão.

Tags: , , , , , , , , , , ,

COMPARTILHE