Os encontros entre Warriors e Cavaliers na temporada

Luís Araújo

O Cleveland Cavaliers venceu o primeiro jogo na reta final. No segundo, o Golden State Warriors passeou. Às vésperas do início de mais uma decisão entre esses dois times, é hora de relembrar como foram esses confrontos diretos na fase de classificação.

25/12/2016 – Warriors 108 x 109 Cavaliers

O cenário antes do jogo

O Cavs vinha de quatro vitórias seguidas. O Warriors, de sete. Aliás, o novo time de Kevin Durant tinha perdido só quatro dos 31 compromissos que havia feito até então. Além de toda a expectativa natural sobre como seria o reencontro dos times depois da final da temporada anterior, havia uma curiosidade extra sobre como o Cavs se comportaria dentro de quadra neste primeiro encontro com o rival reforçado por Durant.

O que aconteceu na partida

As memórias sobre o Jogo 7 da final anterior foram reativadas com mais um chute decisivo de Kyrie Irving. A três segundos do fim, ele acertou um arremesso por cima de Klay Thompson para colocar o Cavs em vantagem e que acabou definindo a vitória. O mais incrível é que ele foi muito bem marcado no lance, mas mesmo assim fez a bola entrar na cesta.

“Foi um chute muito difícil”, disse Steve Kerr, técnico do Warriors. “Eu considero que a defesa do Klay no lance foi fantástica. Não tinha como fazer nada muito diferente daquilo.”

O Warriors teve ainda a chance da virada na última posse de bola, mas Kevin Durant não conseguiu finalizar depois que saiu de um bloqueio. Após o jogo, ele reclamou de uma falta de Richard Jefferson no lance.

O que deixou a vitória ainda mais especial para o Cavs foi o fato de que o time chegou a ficar 14 pontos atrás no placar durante o último quarto. O mais curioso é que a reação começou depois disso em um momento no qual LeBron James estava no banco.

Dos 48 minutos da partida, mais de 40 tiveram liderança do Warriors, que acertou 48,1% dos seus arremessos e limitou o ataque do outro lado a apenas 38,9%. Mas dois fatores contribuíram demais para o Cavs não ter deixado o jogo escapar nos piores momentos e chegar à reta final ainda com chance de vitória. Uma destas razões passa pelos 18 rebotes ofensivos, que permitiram valiosas novas oportunidades de cesta após chutes errados. Outra foi o bom trabalho da defesa ao forçar erros, somando 14 roubos de bola

O grande destaque

Além da cesta da vitória, Irving foi fundamental pelo excelente trabalho na defesa, correndo por bloqueios sem bola para contestar linhas de passe e gerar erros, e também pelas ações ofensivas em um momento extremamente complicado do último quarto. No fim das contas, ele saiu de quadra com 25 pontos, acertando 11 dos 27 arremessos que deu. Além disso, deu dez assistências, pegou seis rebotes e foi responsável por impressionantes sete roubos de bola.

Quem também brilhou

LeBron James foi o cestinha do Cavs com 31 pontos e ainda pegou 13 rebotes. Também impressionou na atuação dele o aproveitamento de quatro bolas de três pontos em oito arriscadas. Pelos lados do Warriors, o grande destaque foi Kevin Durant, dono de 36 pontos e 15 rebotes.

O que mais merece nota?

Titular absoluto do Cavs, JR Smith não participou daquela partida porque estava ainda se recuperando de uma cirurgia no polegar. Quem o substituiu no quinteto titular foi DeAndre Liggins, que nem faz mais parte do elenco. De qualquer maneira, Iman Shumpert acabou recebendo mais minutos do que ele. Também vale lembrar que Kyle Korver e Deron Williams chegaram a Cleveland só depois.

No Warriors, o único jogador relacionado para a partida que não entrou foi Anderson Varejão, que também acabou sendo dispensado mais tarde. Mas o interessante mesmo sobre esse time é que Stephen Curry acertou só duas das sete bolas de três que tentou e estava chamando a atenção na época pelo aproveitamento de 40% em arremessos do tipo. Para qualquer outro jogador, isso estaria ótimo. Para ele, aquilo representava a marca mais baixa da carreira.

“A melhor coisa sobre ele é que ele não se preocupa tanto com isso”, afirmou Steve Kerr. “Ele tem a confiança do Michael Jordan. Muitos poucos jogadores que eu já vi são capazes de errar dez chutes seguidos e acertar o seguinte como se nada tivesse acontecido.”

16/01/2017 – Cavaliers 91 x 126 Warriors

O cenário antes do jogo

Depois daquela derrota no Natal, o Warriors emplacou sete vitórias nos oito jogos que fez. Já o Cavs vinha de três derrotas em seis partidas, mas o que despertava mesmo a atenção era o fato de que entraria em quadra acumulando quatro triunfos consecutivos contra o rival — considerando as finais da temporada anterior, evidentemente. E aí? Como o Warriors responderia?

O que aconteceu na partida

Bom, essa resposta do Warriors não poderia ter sido melhor. O time dominou desde o começo e resolveu o jogo ainda no primeiro tempo. No ataque, viu um adversário especialmente desatento se perder nas suas incessantes movimentações e bloqueios sem bola até que alguém aparecesse livre para definir a jogada. Na defesa, conseguiu emplacar uma marcação sufocante, que forçou muitos erros do Cavs e que usou isso para contabilizar pontos fáceis em transições fulminantes.

Além desta questão envolvendo forçar erros ofensivos do oponente, outro fator que havia ajudado bastante o Cavs no encontro anterior foi dominado pelo Warriors desta vez: os rebotes de ataque. Foram só sete da equipe de Cleveland nesta partida, bem menos do que os 18 do duelo no Natal.

O resultado da combinação de todos esses fatores foi terrível para o Cavs, que teve aproveitamento de apenas 35,2% nos arremessos e tomou 15 cestas de três. Não foi à toa que o Warriors abriu 78 a 49 no placar ao fim do primeiro tempo e foi para o intervalo com o jogo já resolvido. Para piorar ainda mais as coisas para o time de Cleveland, Kevin Love sofreu com dores nas costas e nem entrou em quadra no segundo tempo.

O grande destaque

Fica difícil apontar um grande destaque individual em uma vitória do Warriors tão ampla e tão marcada pelo sucesso coletivo. Talvez quem tenha chamado um pouco mais a atenção foi Draymond Green, que saiu de quadra com um triplo-duplo: 11 pontos, 13 rebotes e 11 assistências, além de cinco tocos.

Quem também brilhou

Klay Thompson fez 26 pontos. Kevin Durant anotou 21 (19 só no primeiro tempo), pegou seis rebotes, distribuiu cinco assistências, deu três tocos e roubou duas bolas. Quem também atingiu as duas dezenas em pontuação pelo Warriors foi Stephen Curry, que fez 20 pontos e ainda somou 11 assistências e quatro desarmes. Pelo Cavs, LeBron James foi o cestinha com 20 pontos e pegou oito rebotes, mas errou 12 dos 18 chutes que tentou e acumulou seis desperdícios de posse de bola.

O que mais merece nota?

DeAndre Liggins, desta vez, não foi titular. Quem começou o jogo pelo Cavs no lugar de JR Smith, que continuava a se recuperar da lesão no polegar, foi Iman Shumpert. Desta vez, a rotação já contava com Kyle Korver, que saiu do banco para acertar três bolas de três e entregar 11 pontos em 27 minutos.

Tags: , , , ,

COMPARTILHE