Os resultados de uma nova era na WNBA

Autor Convidado

* Texto enviado por Roberta Rodrigues

O draft de 2017 foi a concretização da evolução que o basquete feminino vinha experimentando desde 2013: a popularidade de jovens jogadoras adicionada ao talento de cada uma delas. Neste ano, a “prospect” número um era Kelsey Plum. Armadora da Universidade de Washington foi uma das maiores atletas da história do esporte da bola laranja universitário – entre homens e mulheres. E um exemplo simples é o fato de que se tornou a segunda maior pontuadora da história da NCAA e a maior da divisão Pac-12. Novamente, não só entre as mulheres.

Plum acabou – literalmente – de ter os seus primeiro treinos com o San Antonio Stars (equipe que a escolheu no draft) e só não tem mais seguidoras no Instagram do que todas as últimas first picks, com exceção de Candace Parker e Jewell Loyd.

Durante todo esse tempo, ao mesmo tempo em que a WNBA via jovens com talento e influência indiscutíveis, a liga não conseguia aproveitar todo esse material que tinha em mãos para elevar todos os seus principais índices: audiência e venda de ingressos e produtos. É aí que entra o nome de Lisa Borders, nomeada presidente em fevereiro de 2016.

Borders estudou em Duke e a maior parte de sua carreira profissional foi em Atlanta. Foi uma profissional com um histórico nem um currículo um tanto quanto expressivo: foi presidente da Coca-Cola Foundation e Vice-Presidente de Relações Internacionais na gigante alimentícia; presidente da Grady Health Foundation (maior hospital público da Geórgia); vice-prefeita e presidente do conselho municipal de Atlanta.

Foi durante seu mandato como vice-prefeita que Borders ajudou Donna Orender – à época, presidente da WNBA – a criar o Atlanta Dream, uma das franquias de maior popularidade. Após o lançamento do time, Lisa era figurinha carimbada nos jogos da Phillips Arena. Inclusive, tem um carinho muito especial por Érika de Souza, brasileira que vestiu a camisa dessa equipe por sete temporadas e meia (pergunte para Borders se é verdade que ela ama o Brasil, e você verá um dos maiores sorrisos da sua vida).

Devido a todo o seu “know-how”, a nova presidente não demorou em aplicar mudanças significativas na WNBA. Uma delas, que dividiu muitas opiniões, foi a mudança no formato dos playoffs. Acompanhe a explicação.

Assim como na NBA, o formato inicial dos playoffs do campeonato feminino era baseado nos primeiros colocados de suas respectivas conferências jogando entre si, até que fossem decididos os campeões de cada lado do país, que finalmente disputariam a final. Mas em 2016 foi diferente. As oito franquias melhores classificadas, independente da conferência, se classificaram para as fases de decisão.

Os dois primeiros colocados estavam automaticamente classificados para as semifinais, que seriam decididas em uma série melhor de cinco. O terceiro e o quarto colocados só jogariam a segunda etapa, em um jogo mata-mata. Os times que ficaram em quinto, sexto, sétimo e oitavo se enfrentariam por ordem de classificação em duas partidas, também mata-mata.

O formato deu certo e a WNBA viu uma de suas finais mais emocionantes em anos, com uma série decidida nos últimos segundos do quinto jogo. Isso deu à liga um dos maiores índices de ibope da história do campeonato.

Uma das principais novidades, também implementadas na gestão Lisa Borders, foi a mudança na regra do tempo de posse de bola após um rebote recuperado pelo time durante um ataque. Antes, se a equipe que estava formando a jogada para a cesta tivesse um rebote de ataque, ganhava mais 24 segundos. A partir de 2016, esse tempo passou a ser 14, tornando o jogo mais dinâmico.

Essas ações são somadas a investimentos de patrocinadores, como no Dia da Terra, na última semana, que contou não apenas com a participação da WNBA, mas também da NBA. E a parceria com a liga masculina também tem sido uma estratégia amplamente utilizada pela presidente. No final da temporada de 2016, um comercial com a presença de Stephen Curry e LeBron James foi lançado para promover o campeonato feminino.

Tags: , ,

COMPARTILHE