Warriors, Cavaliers, Thompsons e Currys

Luís Araújo

É impossível tentar falar do sucesso do Golden State Warriors sem passar por Stephen Curry e Klay Thompson. Chega a ser chover no molhado dizer o quanto os dois têm parcela de responsabilidade em todas as coisas impressionantes que esse time vem conquistando. O que pouca gente lembra é que os irmãos deles já vestiram o uniforme do adversário nesta decisão.

Pois é. Enquanto Klay foi selecionado pela franquia californiana na 11ª posição do Draft de 2011, Mychel Thompson passou batido pelo recrutamento. Depois de uma rápida passagem pela D-League, teve a chance de se juntar ao Cleveland Cavaliers em dezembro de 2011, quando chegou ao fim o locaute que atrasou o início daquela temporada.

Naquela época, o time de Ohio ainda buscava se reerguer após a saída de LeBron James. As principais apostas no elenco para isso eram Kyrie Irving e Tristan Thompson, então calouros. O comandante era Byron Scott, que parecia gostar do irmão mais velho de Klay.

“Ele é um jogador sólido, que não comete tantos erros. Ele simplesmente faz o que sabe que é capaz de fazer e é muito bom defensivamente”, declarou o treinador na época. Apesar dos elogios, Mychel não conseguiu se destacar em meio à concorrência na posição. Acabou vendo Alonzo Gee, Anthony Parker e Daniel Gibson o superarem nesta disputa.

Ao todo, participou de apenas cinco partidas, tendo sido titular em três delas. Somou 18 pontos nelas e sete arremessos acertados em 24 tentados, o que representa um aproveitamento de 29,2%. Não foi o bastante para conquistar a direção do Cavaliers, que o dispensou em fevereiro de 2012.

Ele ainda tentou retornar à NBA em setembro do mesmo ano, quando se juntou ao New York Knicks para a pré-temporada, mas não permaneceu no elenco da equipe depois que as experiências chegaram ao fim. O jeito, então, foi mergulhar fundo na D-League. Passou por Erie BayHawks e Sioux Falls Skyforce antes de chegar ao Santa Cruz Warriors, em 2013, onde está até hoje.

Durante a temporada 2013/14, aliás, ele foi companheiro de Seth Curry, formando uma versão alternativa dos Splash Brothers na D-League. Mas isso só foi possível porque o irmão mais novo de Stephen também não teve sucesso nas vezes que tentou a sorte na NBA até então.

Depois de não ser selecionado por ninguém no Draft de 2013, ele participou da pré-temporada com o Golden State Warriors, mas foi dispensado antes do início do campeonato e não teve a chance de ser companheiro de Stephen. Passou então a defender o Santa Cruz Warriors na D-League até o final de dezembro, quando assinou com o Memphis Grizzlies.

No dia 5 de janeiro de 2014, ele disputou sua primeira partida na NBA. Foram só quatro minutos de ação em uma vitória por 28 pontos sobre o Detroit Pistons. Não deu tempo de registrar nada nas estatísticas. Logo depois do jogo, foi dispensado.

Uma nova oportunidade na liga acabou surgindo cerca de dois meses e meio depois, através de um contrato de dez dias com o Cleveland Cavaliers. A chance só apareceu porque o time estava com o departamento médico cheio e decidiu usar a vaga disponível no elenco para adicionar um armador quebra-galho. Kyrie Irving, por exemplo, era um dos lesionados.

Deu para mostrar serviço única vez e por muito pouco tempo. Em uma derrota para o Houston Rockets, as posições um e dois foram dominadas por um rodízio entre Jarrett Jack, Dion Waiters e Matthew Dellavedova. Seth foi utilizado por apenas nove minutos. Teve três pontos, dois roubos de bola e um rebote.

Sem um novo acordo, voltou à D-League e reencontrou Mychel Thompson. A união não durou muito, já que ele foi adquirido pelo Erie BayHawks depois da temporada. A trajetória na nova equipe só foi interrompida pelo contrato de dez dias que assinou em março com o Phoenix Suns. Desta vez, conseguiu participar de dois embates. Mas as coisas só mudaram mesmo para Seth em 2015, quando disputou um campeonato inteiro pelo Sacramento Kings e se destacou na reta final. Valorizado, acabou assinando em seguida com o Dallas Mavericks, onde se consolidou tanto que até virou titular.

Nesta decisão entre Warriors e Cavaliers, Mychel e Seth obviamente torcerão pelo time californiano por causa dos seus irmãos. Mas é inevitável que algumas lembranças especiais apareçam quando olharem para o time adversário, por mais que as experiências vividas por lá tenham sido curtas.

Tags: , , , , ,

COMPARTILHE